Macaco – Uma Jornada Para o Oeste.

Macaco – Uma Jornada Para o Oeste.

 

 

Originalmente escrita no século XVI é a história das aventuras do patife-trapaceiro Macaco e seus encontros com uma bizarra casta de personagens enquanto ele viaja com o peregrino budista Tripitaka à Índia em busca de escrituras sagradas. Muito mais que uma novela de aventura picaresca Macaco é uma profunda alegoria da luta que deve ocorrer antes que a transformação espiritual seja possível.

 

Autor Original: Wu Cheng’en

 

 

Wu Cheng’en foi um notório romancista e também poeta chinês da Dinastia Ming. Ele é considerado o criador do famoso romance “Jornada ao Oeste”.

Wu nasceu em Lianshui , na província de Jiangsu , e mais tarde mudou-se para Huai’an . O pai de Wu, Wu Rui, teve uma boa educação primária e “mostrou aptidão para estudar”, mas acabou passando a vida como artesão por causa das dificuldades financeiras de sua família. No entanto, Wu Rui continuou a “devotar-se às atividades literárias” e, quando criança, adquiriu o mesmo entusiasmo pela literatura – incluindo literatura clássica, histórias populares e anedotas.

Ele fez os exames imperiais várias vezes na tentativa de se tornar um mandarim , ou funcionário imperial, mas nunca foi aprovado e não conseguiu entrar na universidade imperial de Nanjing até a meia-idade; depois disso, ele se tornou um oficial e teve cargos em Pequim  e no condado de Changxing , mas não gostou de seu trabalho e acabou renunciando, provavelmente passando o resto de sua vida escrevendo histórias e poemas em sua cidade natal.  Durante esse tempo, ele se tornou um escritor talentoso, produzindo poesia e prosa, e fez amizade com vários escritores contemporâneos proeminentes. No entanto, Wu permaneceu pobre por toda a vida e não teve filhos. Insatisfeito com o clima político da época e com a corrupção do mundo, ele passou grande parte de sua vida como um eremita.

 

A possível autoria de Journey to the West de Wu é sua principal reivindicação à fama. O romance foi publicado anonimamente em 1592, e Wu não fez referência à obra em nenhum de seus outros escritos.  Acredita-se que Wu publicou a obra em anonimato, como era normal na época, por causa da má reputação da ficção como literatura “vulgar”. Havia uma tendência nos círculos literários chineses de imitar a literatura clássica das dinastias Qin , Han e Tang , escrita em chinês clássico .  No entanto, tarde na vida, Wu foi contra essa tendência ao escrever o romance Journey to the West, na língua vernácula. Por mais de três séculos, a maior parte da China permaneceu sem saber de sua autoria, embora o povo de sua cidade tenha atribuído o romance a ele desde o início.

No entanto, no início do século 20, Hu Shih e seus alunos realizaram análises textuais e pesquisas nos registros da Dinastia Qing e sugeriram Wu como o autor. Em sua introdução ao resumo de Arthur Waley, Monkey , Dr. Hu, então embaixador nos Estados Unidos, relatou que um dicionário geográfico de 1625, uma forma de história local, da cidade natal de Wu alegou Wu como o autor.

 

 

Autor do Livro: David Kherdian

 

 

 

David Kherdian é um escritor, poeta e editor armênio-americano. Ele é conhecido por The Road from Home, baseado na infância de sua mãe – catalogado como biografia por algumas bibliotecas, e ficção por outras.

David Kherdian (ker.de.en) nasceu em 17 de dezembro de 1931 em Racine, Wisconsin, filho de Veron Duhmejian (1908 – 1981) e Melkon Kherdian (1891 – 1958). Sua irmã, Virginia (1943 -). Ambos os pais eram sobreviventes do genocídio armênio.

Um poeta armênio-americano, romancista e biógrafo, fundador de três pequenas editoras e editor de três periódicos: Ararat: A Quarterly, Forkroads: A Journal of Ethnic-American Literature e Stopinder: A Gurdjieff Journal for Our Time.

A reputação de Kherdian está espalhada por todos os gêneros nos quais ele trabalhou, desde seus muitos livros até os três periódicos que editou, bem como suas três pequenas editoras que fundou. Ele foi o primeiro a colocar escritores de etnia americana dentro do cânone da literatura americana, o que ele realizou por meio de antologias e periódicos, e com a mesma importância com seus próprios escritos. Como editor, escritor e editor, Kherdian sempre esteve à frente de seu tempo; ele percorre a longa linha intermitente de poetas americanos místicos, a saber, Walt Whitman, Henry Thoreau e Emily Dickinson – poetas que raramente são valorizados em suas vidas.

Kherdian, a princípio, temeu que a influência espiritual sob a qual se submeteu pudesse de alguma forma ameaçar sua criatividade, mas, em vez disso, lentamente, intensificou dramaticamente sua evolução, como se tornaria evidente com sua narrativa de Monkey: A Journey to the West, uma alegoria budista , que ele seguiu com sua biografia narrativa intitulada, The Buddha, The Story of an Awakened Life.

Atualmente conta com mais de 70 obras publicadas. Um dos autores mais importantes  da atualidade.

 

 

 

Prêmios:

Kherdian ganhou o Boston Globe – Horn Book Award de 1979 para não-ficção infantil, e ele foi o único vice-campeão da Medalha Newbery de 1980 , reconhecendo The Road from Home (1979), sobre a infância de sua mãe Veron Dumehjian antes e durante o genocídio armênio . O livro foi publicado na maioria dos países europeus e em muitos outros lugares, incluindo o Japão. Ele foi reeditado várias vezes nos Estados Unidos e é cada vez mais lido em escolas de ensino médio em todo o país. Na sequência Finding Home (1981), ela se estabelece na América como uma noiva por correspondência. Às vezes também é catalogado como ficção.

 

 

O Livro: Macaco – Uma Jornada Para o Oeste

 

 

 

Um clássico da literatura chinesa, este adorado conto popular é em parte história de aventura e em parte alegoria espiritual – agora reinventado por um indicado ao National Book Award Parte peregrinação espiritual, parte épico histórico, o romance folclórico Journey to the West, que veio a ser conhecido como Monkey, é o clássico mais popular da literatura asiática. Originalmente escrito no século XVI, é a história das aventuras do malandro e trapaceiro Macaco e seus encontros com um bizarro elenco de personagens enquanto ele viaja para a Índia com o peregrino budista Tripitaka em busca das escrituras sagradas. Muito mais do que um romance de aventura picaresco, Macaco é uma alegoria profunda da luta que deve ocorrer antes que a transformação espiritual seja possível. A narrativa magistral de David Kherdian dá vida a este clássico da literatura chinesa de uma forma que é fiel ao escopo e à profundidade do original. Inúmeras ilustrações em preto e branco, chamativas e imersivas, que enriquece o livro. Diagramação e material do livro é impecável, enredo bem elaborado. Devo ser sincero em dizer que o livro como um todo é apenas a ponta do Iceberg. O original possui dez volumes. Mas, o autor David deu luz e de forma concisa trouxe para os ocidentais uma qualidade fiel a obra de Wu Cheng’en. Literatura oriental de qualidade. Apresenta o macaco trapaceiro em busca de poder em uma aventura que abala terra e céu. Dando trabalho para humanos e deuses. É um mergulho na mitologia chinesa antiga. Vale muito apena conferir este clássico.

 

Sun Wukong é muito forte (consegue erguer 8,1 toneladas) e veloz (com um salto ele consegue superar uma distância de 54.000 quilômetros). Sun pode se transformar em 72 coisas diferentes tais como animais e objetos; quando se transforma em pessoas, contudo, ele não consegue esconder a cauda. Também é um grande lutador que consegue enfrentar os generais do céu. Cada um dos pelos do seu corpo possui propriedades mágicas, capazes de darem origem a uma duplicata Rei Macaco, assim como várias armas, animais e outros objetos. Ele também é conhecido por comandar os ventos, águas, conjurar círculos protetores contra demônios e congelar humanos, demônios e deuses.

Sun Wukong nasceu de uma rocha mística formada pelas forças primitivas do caos, localizada na Montanha das Flores e Frutas (transliterado para o inglês como hua guo shan). Após se juntar a um clã de macacos, ele ganhou o respeito dos animais ao descobrir a Caverna da Cortina de Água (shui lian dong) atrás de uma grande cachoeira; o clã fez do local o seu novo lar. Os outros macacos honraram o descobridor e o tornaram rei deles, dando-lhe o título de Měi Hóuwáng (Rei Macaco Bonitão). Mesmo tendo se tornado o mais poderoso da sua espécie, o Rei continuava um mortal. Determinado a encontrar a imortalidade, o rei viajou até a civilização, onde encontrou e se tornou discípulo do patriarca budista-taoísta Bodhi. Ele aprendeu a língua dos homens e muitas formas de viajar. Ele aprendeu a viajar por entre as nuvens, incluindo a técnica chamada de Jīndǒuyún (cambalhota sobre as nuvens), que o fazia cobrir 54.000 km com um único pulo. Finalmente, ele passou a ser capaz de transformar cada um dos 84 000 pêlos do seu corpo em objetos e pessoas, até mesmo duplicatas de si próprio.

Na esperança de que uma promoção à divindade satisfizesse o Rei Macaco, o Imperador de Jade convidou-o ao Paraíso. O animal esperava ser honrado e tomar o lugar junto aos deuses, tornando-se igualmente um. Contudo, foi-lhe dado o cargo de Protetor dos Cavalos, com a obrigação de vigiar os estábulos do paraíso, o posto mais baixo entre os deuses. Sun Wukong se rebelou contra isso e proclamou a si mesmo o “Grande Sábio, Igual no Paraíso” e aliou-se aos mais poderosos demônios da Terra.  Sem mais opções, o Imperador de Jade e as autoridades do Céu apelaram a Buda, que chegou do seu Templo do Ocidente. Buda apostou com Sun Wukong que o macaco não seria capaz de escapar de sua palma. Sun Wukong, confiante na sua capacidade de saltar grandes distâncias, concordou. Ele então saltou e chegou aos confins do mundo em segundos. Ali nada era visível a não ser cinco pilares, que fizeram com que Wukong acreditasse ter chegado ao Fim dos Céus. Para marcar sua vitória, ele inscreveu nos pilares a frase “o grande sábio igual no Céu” (em outras versões, ele urinara nos pilares). Porém, para sua surpresa, os cinco pilares se revelaram como sendo na verdade os cinco dedos da mão de Buda.

Quinhentos anos depois, o Bodisatva Guanyin procurou por discípulos que pudessem proteger peregrinos do Leste que partiriam para uma jornada à Índia para recuperarem sutras budistas. Ao ouvir isso, Sun Wukong ofereceu-se como um dos protetores dos peregrinos, sob a liderança de Xuanzang, um monge da Dinastia Tang, em troca de sua liberdade. Guanyin sabia que o macaco poderia sair do controle e então deu a Xuanzang um presente de Buda: uma bandana mágica que uma vez colocada em Sun Wukong, não poderia ser removida. A colocação na cabeça do macaco permitia causar-lhe grande dor ao ser emitido um canto. Mas também lhe deu três novas habilidades, que poderiam ser usadas em emergências mortais. Sob o controle de Xuanzang, Sun Wukong seguiu para a Jornada ao Oeste.

Curiosidades – Festival Chinês:

 

Imagem do site - Singpoli
Tseu magnífico espetáculo floral é inspirado no romance épico “Journey to the West”. A clássica história de aventura foi chamada de “Senhor dos Anéis” asiático. No romance, Sun Wukong, o rei dos macacos, enfrenta inúmeras provações em sua jornada para a autodescoberta. (Clique)

O Festival Sun Wukong é comemorado no décimo-sexto dia do oitavo mês lunar do calendário chinês, onde são representados os sofrimentos do Rei Macaco, tais como andar em brasas.

Em Hong Kong o festival é comemorado no Templo Budista em Sau Mau Ping, onde existe um santuário dedicado ao Rei Macaco.

Influência – Dragon Ball

 

Akira Toriyama modelou vagamente Dragon Ball no clássico romance chinês Jornada ao Oeste; mas também o redesenhou a partir de seu primeiro mangá one-shot, Dragon Boy, de 1983. Ele disse que as lutas foi influenciada pelos filmes do famoso ator de artes marciais Jackie Chan, já que ele queria criar uma história com o tema básico de Jornada ao Oeste, mas com “um pouco de kung fu”. Desde que foi serializado em uma revista shōnen, Toriyama adicionou a ideia das Esferas do Dragão para dar-lhe uma atividade semelhante a um jogo de reunir algo, sem pensar no que os personagens desejariam. Com Goku sendo Sun Wukong, Bulma como Xuanzang, Oolong como Zhu Bajie e Yamcha sendo Sha Wujing, ele pensou originalmente que duraria aproximadamente um ano ou terminar logo que as Esferas do Dragão fossem encontradas.



        



Produção cinematografia;

O reino Probido


As Novas Aventuras do Macaco


A lenda do Rei Macaco

A lenda do Rei Macaco 2



A maioria dos filmes você pode encontrar na Netflix e Na Prime Vídeo. Além disso, Macaco serviu e ainda serve de inspiração para inúmeros seguimentos da cultura atualmente, livros, filmes, Hqs etc.

Total de 84 visualizações

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Open chat
1
Olá
Podemos ajudar?