Animes & HQs

Marvel 616 | Série do Disney Plus vai inspirar novas gerações, diz produtora

Conversamos com Alison Brie, Gillian Jacobs, Paul Scheer, Sarah Amos e Jason Sterman sobre a nova produção do streaming

Os super-heróis da Marvel se tornaram mundialmente conhecidos principalmente por causa do seu universo cinematográfico, o MCU. No entanto, a editora de quadrinhos, que hoje pertence à Disney, ainda tem muitas histórias a serem contadas, como personagens nunca explorados e tramas que nunca foram abordadas. Com a intenção de mergulhar ainda mais no imaginário da companhia, o serviço de streaming Disney+ lança na sexta-feira dia 20 de novembro a série documental Marvel 616.

Com oito episódios, o título explora o legado da Marvel e os diferentes aspectos do Universo 616, o principal da editora – por isso o título Marvel 616. São mostrados personagens esquecidos, mulheres pioneiras como artistas, diferentes modos como as narrativas da editora mexem com a vida das pessoas, entre vários outros assuntos. Cada um dos capítulos é dirigido por um diretor diferente.

A convite do Disney+, o NerdBunker conversou com os produtores executivos da Marvel, Sarah Amos e Jason Sterman, e com alguns diretores. Paul Scheer, autor de alguns quadrinhos do Homem-Formiga e Deadpool, responsável pelo episódio “Lost and Found“; Alison Brie, que comandou a direção do capítulo “Marvel Spotlight“; e Gillian Jacobs, que desenvolveu o episódio “Higher, Further, Faster”, puderam contar um pouco da experiência deles.

Diferentes versões da mesma Marvel

A série documental mostra diferentes lados e versões da Marvel e, mesmo os fãs mais fieis podem se surpreender com as novidades sobre a editora. Sarah Amos explica que ainda há muito a ser explorado e mostrado ao público.

“Assim que me explicaram o que é Marvel 616, eu aceitei, porque acho que as pessoas que se apaixonaram por nossos personagens e por nossas histórias querem saber qual foi o caminho percorrido para chegarmos até aqui.  Quem são os rostos que desenham Miles Morales nos quadrinhos que você compra toda semana? Qual a conexão que existe com a comunidade de cosplays? Isso tudo expande o universo, sabe?”

A produtora acredita que este mergulho no conteúdo é importante para os jovens entenderem que não importa de onde você vem, seja da América Latina ou da Ásia, “você pode ser tornar o próximo grande artista da Marvel.”

“Acho que é muito importante abrirmos as portas da empresa um pouco e mostrar às pessoas como tudo funciona, porque isso vai ajudar a inspirar a próxima geração de contadores de histórias da Marvel, e é disso que precisamos para manter tudo funcionando.”

Paul Scheer, o diretor do quarto episódio, já tinha uma relação mais próxima com a editora por também escrever histórias para alguns personagens e revelou que ver a sua criação sendo adaptada para outros países e lugares, foi incrível.

“Quando fui ao Japão no ano passado, vi meus quadrinhos do Deadpool em uma livraria japonesa, e fiquei muito feliz de ver as minhas coisas sendo traduzidas para diferentes idiomas. Fiquei impressionado com o apelo que essas HQs têm. Saber que as minhas palavras foram traduzidas e que funcionam é prova de que temos artistas e histórias incríveis.”

O também produtor executivo Jason Sterman acredita que Marvel 616 traz diversas novidades sobre a editora e “ainda há muito o que o público aprender” sobre a empresa e seus diferentes conteúdos.

“Acho que o que é ótimo sobre a série como um todo é que há tantas coisas diferentes para se explorar, seja a história das mulheres nos quadrinhos, por exemplo, ou outras coisas legais, como os cosplays, o processo de se fazer uma história em quadrinhos usando o método Marvel, etc.”

Novidades Antigas

O primeiro episódio da série – e também um dos mais interessantes – se chama “The Japanese Spider-Man” (O Homem-Aranha Japonês, em tradução livre) e fala sobre a origem da versão japonesa de um dos mais queridos personagem da Marvel. Para a produtora Sarah Amos, o capítulo era um dos que a equipe estava mais empolgada para fazer.

“Esse era um dos programas favoritos da equipe da Marvel por anos. É uma espécie de joia escondida sobre a qual sempre contávamos às pessoas, mas nãos sabíamos nada sobre como a história dele tinha sido feita. Começamos então a tentar descobrir como poderíamos produzir esse episódio.”

Amos revelou que, com a ajuda da Disney do Japão, foi possível se aprofundar no assunto e saber quantos participantes da série original ainda poderiam contribuir com o documentário.

“Nós pensamos que seria um episódio bem divertido e, quando eu assisti, fiquei realmente emocionada, com lágrimas no olhos. É uma história linda e muito emocionante, de uma parte duradoura do legado da Marvel que finalmente estamos desenterrando, e acho que as pessoas vão se apaixonar.”

Personagens Escondidos

Outro ponto abordado pela produção são os personagens da Marvel poucos conhecidos pelo pelo público, assunto retratado no episódio “Lost and Found“, dirigido por Paul Scheer.

Mesmo já sendo familiarizado com os títulos da editora, o artista revelou que descobriu diversos novos personagens que ainda não foram muito explorados fora do quadrinhos. “Fico muito fascinado com personagens sobre os quais não falamos muito”.

“Há um deles que se chama Microbe, ele é um X-Men que se comunica com germes. Então, ele seria bastante útil em relação ao COVID-19, por exemplo. Ele pode realmente falar com doenças, uma espécie de Aquaman de doenças. Ele é bastante engraçado e acho que agora seria uma boa hora de trazê-lo.”

Novas Fãs

Diferente de Scheer, Brie e Jacobs conheciam apenas as propriedades da Marvel que já foram adaptadas para os cinemas e viram em Marvel 616 uma ótima oportunidade de se aprofundar no assunto. Alison Brie comentou que se tornou ainda mais fã depois disso:

“Minha experiência com a Marvel na verdade, em grande parte, era apenas com os filmes. Ao aceitar dirigir o episódio ‘Marvel Spotlight’, conheci uma Marvel muito divertida e emocionante, além de entender o impacto individual que as suas histórias podem ter na vida das pessoas, especialmente em jovens.”

Comando por Alison Brie, o capítulo derradeiro da série documental mostra um grupo de teatro em uma escola do Estados Unidos que está adaptando as histórias da Miss Marvel e da Garota Esquilo para serem interpretadas em peças. “Pude perceber o quanto esses personagens são inspiradores”, explicou.

Gillian Jacobs passou pelo mesmo processo de descobrir mais detalhes sobre a editora e se apaixonar. No episódio o qual dirigiu, o “Higher, Further, Faster” (em tradução livre: Mais Alto, Mais Longe, Mais Rápido), ela reconhece as mulheres pioneiras que ajudaram a construir o Universo da Marvel.

“Tudo o que eu aprendi foi novo, pois entrei no projeto sem saber de nada da Marvel, sobre quem escreve os quadrinhos… Aprendi sobre os diferentes gêneros dos quadrinhos, que vão além de apenas super-heróis e que chegam para todos os tipos de público. Esse episódio me levou em muitas direções diferentes, foi realmente fascinante.”

Os oito episódios de Marvel 616 chegam ao Disney+ no dia 20 de novembro.

Etiquetas

Artigos relacionados

Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios
Open chat
1
Olá
Podemos ajudar?