A cruzada anti-Marvel continua

A cruzada anti-Marvel continua

Depois de Francis Ford Coppola cerrar fronteiras ao lado de seu amigo de Nova Hollywood, Martin Scorsese, o diretor dos dois filmes da franquia Guardiões das Galáxias, justamente dois dos mais interessantes blockbusters dos últimos anos, resolveu pular em defesa do seu ganha-pão agora.

James Gunn, contudo, devia ter feito o que Jon Favreau, diretor da Marvel, fez, que seria  ter saído pela tangente. Favreau enalteceu os cineastas Scorsese e Coppola e o direito de opinião que eles tinham. Gunn, por outro lado, se perdeu em comparações esdrúxulas, enfraquecendo um tanto dos argumentos dos fãs de super-heróis.

Segundo o Observatório do Cinema, Gunn afirmou: “Muitos de nossos avós pensavam que todos os filmes de gangsteres eram iguais, muitas vezes chamando-os de ‘desprezíveis’. Alguns de nossos bisavós pensavam os mesmos do faroeste, e acreditavam que John Ford, Sam Peckinpah e Sergio Leone eram exatamente iguais”, num erro crasso  ao colocar o pioneiro John Ford, respeitado por seus pares à época, com os modernos Peckinpah e Leone, que não agradavam mesmo a todos, sendo que quatro décadas separam o início de carreira do primeiro do início dos últimos.

Depois ele relativiza, e bota mais fogo nessa lenha polêmica: “Os super-heróis são simplesmente os novos gangsteres, cowboys e aventureiros do espaço. Alguns filmes de super-heróis são horríveis, outros são lindos”. E aí não deixa de ter sua razão. Claro que não há um filme sequer da Marvel que chegue aos pés do melhor que Scorsese e Coppola produziram, para não falar de um gênio como John Ford.

Mas poderiam chegar, e essa é a questão. Poderiam ter roteiros melhores, direções melhores, poderiam ser menos calcados em cenas de ação filmados mal e porcamente. Críticas ao Universo Cinematográfico Marvel, e ao cinema em geral, são essenciais quando o que se quer é que os filmes melhores, que o cinema melhore. Sem uma crítica presente, isso é praticamente quase impossível.

Surgiram ainda mais dois diretores para engrossar esse caldo dos descontentes: Ken Loach, que faz um cinema muito diferente dos filmes da Marvel e por isso não tem a mesma força, e Fernando Meirelles, que involuntariamente reforça o time da Marvel com sua posição contrária aos filmes de super-heróis, pois seu cinema, até aqui, tem sido pior dentre eles.

Total de 80 visualizações

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Open chat
1
Olá
Podemos ajudar?